COSMOGÊNESE / ANTROPOGÊNESE

27 01 2010

No princípio, criou Deus os céus e a terra.  A terra, porém, estava sem forma e vazia; havia trevas (…)  Disse Deus: Haja luz; e houve luz.  (…) fez a separação entre a luz e as trevas. 

Chamou Deus à luz Dia e às trevas Noite. (…)  E disse: Haja firmamento no meio das águas e separação entre águas (…)  E chamou Deus ao firmamento Céus. (…)  Ajuntem-se  as  águas  embaixo  dos  céus  num  só  lugar,  e  apareça  a porção  seca.

 À porção seca chamou Deus Terra e ao ajuntamento das águas, Mares.   Produza  a  terra,  relva,  ervas  que  dêem  sementes  e  árvores  que  dêem  frutos (…)  Haja luzeiros no firmamento dos céus, para fazerem separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais, para estações, para dias e anos.

(…) e fez também as estrelas.  (…)  Povoem-se as águas de seres viventes: e voem as aves sobre a terra (…)  Criou, pois, Deus, os grandes animais marinhos e todos os seres viventes que rastejam, e todas as aves (…)

Produza a terra, seres viventes, animais domésticos e selváticos (…)  Façamos o homem á nossa imagem, conforme a nossa semelhança (…)  Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. (…)

E, havendo Deus terminado no dia sétimo a sua obra, descansou nesse dia de toda a sua obra que (…) como Criador, fizera.

Gênesis 1; 2.1-3

Para discorrer sobre esse 2o Resgate, tenho que me reportar ao início dos tempos no nosso planeta Terra: terceiro planeta a partir do Sol, sistema solar de Hélios e Vesta, uma estrela anã amarela, de quinta grandeza, situada a 32.000 anos-luz, Braço de Orion, 13a Região Administrativa da Via Láctea. 

Todo planeta, como nós, é um ser em evolução: nasce, tem uma finalidade de existir, e tem obrigação de evoluir.  E nosso planeta nasceu, num sopro de amor de criação Divina, resultante da repetição incessante do som da Vida:

 AUUUUUMMMMM!

O som da vida, o verbo resultante do movimento dos átomos. 

A é o mundo divino; U é o mundo da alma; e M é o mundo físico manifestado.

Anúncios




Os hiperbóreos – o povo mágico

22 01 2010

Por último, vieram os da Raça Amarela, grandes pesquisadores siderais, que estudavam a Terra, já há algum tempo.  Não se misturaram e deram origem aos povos Orientais.

Os Atlantes que seguiram para a atual Escandinávia, já encontraram colônias de sua raça, para lá emigradas anteriormente, e fizeram com que esse povo chamado Hiperbóreo, ganhasse forte impulso civilizador. 

Após várias transformações operadas no tipo biológico, por efeito do clima, dos costumes e dos cruzamentos, os Hiperbóreos conseguiram estabelecer os elementos etnográficos essenciais e definitivos do homem branco, de estatura alta, cabelos ruivos, olhos azuis, feições delicadas.  

Nessa época, o continente começou a sofrer um processo de intenso resfriamento, que tornou toda a região, inóspita, hostil à vida humana. 

Por essa razão, os Hiperbóreos foram obrigados a emigrar em massa para o sul, invadindo o centro do planalto europeu, através de florestas iluminadas por auroras boreais, acompanhados de cães e impulsionados por mulheres videntes.

Essa raça inventou o culto ao Sol e à Lua, tornou o fogo sagrado e trouxe para o mundo, a nostalgia do céu, prostrando-se ante seus esplendores, em uma adoração absoluta.